segunda-feira, outubro 29, 2007

o faz tudo à sombra





















(tirada daqui sem autorização expressa do autor
por manifesta impossibilidade de contacto)



Para desanuviar as ideias, o Faz Tudo, mais uma vez foi até Tumbuktu embrenhar-se nas suas cogitações, repensar tudo, saber se vale a pena ou não preocupar-se com o ram-ram da vida e inspirar o mesmo ar que rodeia os amigos e anjos da guarda, seguindo as orientações daquele velho conhecido sinaleiro que roda nos tacões esfarrapados das botas, mas não se engana!


Inspirou, fundo!

Pelas ruas pejadas de anónimos, metidos com os botões, passavam aos magotes problemas, enigmas, esperanças, desesperos, assobios para o lado, olhares para ontem, sem que alguém se inteirasse ou interessasse, excepto este caminheiro caminhando por caminhos mais ou menos esconsos, com a mente aberta e sôfrega de conhecimentos.

Deu-se conta da fragilidade vigente!

Um pouco abatido regressou sem que alguma dúvida se lhe tivesse sido desfeita!

Dentro de dias voltará lá, sentar-se-á à sombra de uma acácia rúbia, vermelha-esverdeada ou de um embondeiro sem vestígios de folhas e tentar perceber-se melhor!

A ver vamos!





1 comentário:

António disse...

Há alturas da vida nas quais não me parece que Tumbuktu seja a escolha mais acertada para as cogitações do que nos vai na alma, no coração ou na cabeça.
E isto porque Tumbuktu é longínqua e naquelas alturas torna-se necessário ir para mais perto, onde um discernimento de pés assentes no chão possa validar a lucidez que perseguimos ainda que encalhada pelas vicissitudes da vida.
As encruzilhadas também têm as suas virtudes pois põem-nos a decidir, a fazer opções.
A puta da avestruz é que não pode servir de exemplo para ninguém, muito menos para ser imitada, daí que nos caiba a responsabilidade ditada pela suprema liberdade de decidir e, então, agir !
Nada de esperar que em Tumbuktu, debaixo dum embomdeiro ou ao seu lado, de lá venha a solução do que nos aflige ! A não ser que a aflição seja de calor pois a sua grandiosidade aconchegar-nos-à à sua sombra, nada mais.
Quando disputo as minhas corridas, dou-me à luta, estudo o "inimigo" e depois dou-me em cima dele a medir forças!
Julgo que partilharás deste espírito pelo que gostaria que começasses por marcar 3 grandes objectivos de realização a médio prazo para gozarmos em conjunto alargado as brejeirices da vida a que nos propomos nos próximos 30 anos.
Fico à espera.
Tony

Free counter and web stats