quinta-feira, julho 14, 2005

O Faz Tudo e a adrenalina


(Ponte de D. Maria - Porto)



Hoje, o Faz Tudo, acordou como de costume não muito bem disposto.
O sair da cama é um acto de coragem, perante as Dulcineidicas obrigações, que tipo bruxas, estão prontas a fazerem de nós gato-sapato!

É a vida! (onde já ouviu isto?).

Mas, não sabe como, veio-lhe à memória uma tarde dos seus 13/14 anos.

Acabadas as aulas pós almoço, no Alexandre Herculano, juntamente com uma trupe de amigos, qual deles o mais “maluco”, foram directos às Fontainhas, desceram uma pequena ravina e ei-los em plena linha-férrea.

Seguiram ao longo da mesma e como não havia por onde subir, continuaram em frente.

Um túnel!
Há que atravessá-lo! E assim com o rabo entre as pernas, lá foi a cambada a correr por cima daquelas pedras, com medo que algum comboio aparecesse!

Surpresa!
Do final desse túnel ao próximo distavam para aí 100 metros e não havia outra escapatória!

Em frente!
De novo de rabo entre as pernas, a correr, lá se conseguiram safar, sem que qualquer comboio surgisse!

O pior estava para chegar!
Ultrapassado este, mesmo à frente estava a ponte de D. Maria!
Não sabe, o Faz Tudo, se alguma vez alguém a viu ao vivo!
Uma passagem estreitíssima para se poder andar (os trabalhadores dos caminhos de ferro, claro!), dois carris assentes em barras metálicas e abertas…. Com o Rio Douro mesmo por baixo dos pés!
Se apanhássemos um trem nesta altura …! Nem sabe o que poderia acontecer!

Mas, para trás é que nunca!
Com a mão esquerda agarrada ao corrimão como se fosse colada com cola de cientistas, a canalhada seguiu em frente com os olhos postos no final da D. Maria, sem se atreverem a prescutar os lados e o fundo e o mais rápido e cautelosamente tentaram chegar ao outro lado!

Todos feitos num oito, num trajecto olímpicamente conseguido, deram-se em Gaia!

E agora como voltar para casa?
Ravina a baixo, com os fundilhos das calças a darem de si…
Rio Douro!

Simpaticamente e percebendo a aflição do pessoal, um pescador com um barquito a remos, levou-nos até à outra banda de novo!

A partir daí as coisas foram normais!
Trolley!
Outro trolley!
Casa!

Os Pais desta camarilha nunca souberam da aventura!

Foi este o dia da vida onde a adrenalina, mais alto teor terá atingido!
Nem no tempo de Angola (1968/1970)!

E vós?
Contai o vosso dia de maior adrenalina!

3 comentários:

Ana disse...

essa é que foi... e se os pais vierem ler o blog?
Adrenalina pura... perigoso... agora é engraçado, mas na altura...

croque disse...

O Faz Tudo era um "ganda maluco"! lol
Nao e facil escolher um episodio no meio de alguns. Vou pensar sobre o assunto e depois digo.
Um abraco e ate mais.

Carlos Roque.

Jorge disse...

Copiaram o Aniki-Bo-Bó?

Free counter and web stats