sexta-feira, julho 08, 2005

O Faz Tudo e "os meus amigos"



O Faz Tudo que ao longo das suas postagens, tem vindo a enaltecer a amizade, que tudo faz para a preservar, cultivar e aumentar, não gostaria que um dia tivesse de recitar o poema que está já aí a seguir!
Ficaria muito triste!


OS MEUS AMIGOS

Amigos cento e dez e talvez mais
Eu já vos contei! Vaidades que eu sentia!
Pensei que sobre a terra não havia
Mais ditoso mortal entre os mortais.

Amigos cento e dez, tão serviçais,
Tão zelosos das leis da cortesia,
Que eu já farto de os ver, me escapulia,
Às suas curvaturas vertebrais.

Um dia adoeci profundamente,
Ceguei. Dos cento e dez, houve um somente
Que não desfez os laços quase rotos.

Que vamos nós (diziam) lá fazer?
se ele está cego, não nos pode ver...
Que cento e nove impávidos marotos!

(Camilo Castelo Branco)


...e que jamais alguém tenha razão para o fazer a ele!

/////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////
(Este post é dedicado às centenas de vitimas que ontem sofreram em Londres, com a estupidez de alguém que não é amigo!)
/////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

1 comentário:

Ana disse...

Que pena...infelizmente sabemos quem são os amigos em momentos de infurtúnio...

Free counter and web stats