quarta-feira, março 22, 2006

o faz tudo e a cara com duas faces



(em português: Kafka à beira-mar)



A filhota ofereceu ao Pai um livro.

Sabe que gosta de ler e como tal o objecto foi recebido com regozijo.

Intervalando com a "Sibila", começou logo a lê-lo e a enredar-se na história romanesca de Haruki Murakami.

Já chegou à página 59 das 589!

Mas também já deu para perceber que é daqueles que se devoram rápido!

Saltaram-lhe logo nestas primeiras páginas alguns pensamentos, sobre os quais, embora vivendo-os, não os tinha tirado lá do fundo do baú!

Coisas tão simples do dia-a-dia que quase não damos conta da sua existência.

De repente deu consigo a pensar que usa uma máscara daquelas que vistas de um lado estão tristes, soturnas, amarguradas... mas que vistas do outro, têm estampado um sorriso, alegria e boa disposição.

É assim que tem vindo, à medida que o tempo vai inexoravelmente avançando, a notar que a grande maioria das pessoas também se mascara.

E encontra-as a todo o momento!

Mesmo na maior das intimidades há mentiras e sarcasmos, como também meias-verdade e até ...verdades!

Não são mascaras de palhaço, rico ou pobre, são-no fruto dos interesses, mais ou menos escondidos, das ocasiões ou circunstâncias.

O Faz Tudo não foge à regra, pois que é ser humano e também ele aprendeu a fingir que está a controlar-se!

Enfim, pensamentos dispersos pelas divagações literárias que aos poucos o vão chamando à realidade.

Mas tal como em viagem é bom ter companhia, nem que fugaz, também na vida é bom ter compaixão!

E tenhamo-la por todos nós, com duas faces na mesma cara!

2 comentários:

Antonio Stein disse...

Somos uma espécie de marionetes!
Importa é que controlemos o maior numero de fios.

Boa Noite.

jose disse...

também estou a lê-lo e a adorar.

Free counter and web stats